Pular para o conteúdo principal
Entrevistas

Amanda Ribas garante foco em Randa Markos e mira luta contra PVZ no futuro

Brasileira está escalada para o UFC Brasília, que acontece em 14 de março

A peso-palha Amanda Ribas é uma das revelações brasileiras no UFC no último ano. Dona de duas vitórias no Octógono, a mineira retorna em 14 de março para encarar Randa Markos no UFC Brasília – a primeira vez em que lutará por um evento do Ultimate em seu país.

E quem conhece Amanda pode imaginar como ela está se sentindo quanto a isso: feliz! Em conversa com a reportagem do UFC, a atleta revelou que ficou tão animada com a proposta de lutar no Brasil que não pensou duas vezes antes de aceitar.  

GARANTA O SEU INGRESSO PARA O UFC BRASÍLIA

“Para falar a verdade nem pensei, porque eu sempre quis muito lutar no Brasil. O MMA nasceu no Brasil, então lutar aí deve ser muito bom. Estou muito feliz com essa oportunidade de lutar em casa, com a torcida junto comigo. Vai ser bom demais”, disse a lutadora, que está na Flórida (EUA) para a sua preparação.

Amanda enfrentaria Paige VanZant, mas um problema de saúde levou a troca de adversária para Randa Markos, dona de seis vitórias em 13 batalhas no Ultimate. Mas se a adversária mudou, o objetivo da lutadora brasileira segue o mesmo: enfrentar uma atleta mais bem ranqueada no futuro.  

“(Uma vitória em Brasília) me leva a uma top 5, talvez? Por favor, UFC!”, riu a atual número 15 do ranking.

Confira a entrevista completa com Amanda Ribas.

A mineira Amanda Ribas fala sobre a vitória por pontos sobre Mackenzie Dern no UFC Tampa, realizado no último sábado (12). 


UFC: Como está se sentindo sabendo que vai lutar no primeiro UFC no Brasil em 2020?

Amanda Ribas: Eu estou feliz pra caramba! Só de lutar pelo UFC já é a realização de um sonho, né? Daí vou fazer minha primeira luta aqui no brasil, cheio de gente conhecida, comida já é mais fácil, o clima. Brasília é mais seco, mas vou estar mais adaptada. Estou feliz de poder lutar no meu país.

UFC: Muitos atletas não gostam de lutar em seus países, por diversos motivos. Você pensou em prós e contras antes de aceitar esse combate?

AR: Para falar a verdade nem pensei, porque eu sempre quis muito lutar no Brasil. O MMA nasceu no Brasil, então lutar aí deve ser muito bom. Estou muito feliz com essa oportunidade de lutar em casa, com a torcida junto comigo. Vai ser bom demais.

UFC: Originalmente a sua adversária seria a Paige VanZant, mas ela saiu da luta porque se machucou. Como você recebeu essa notícia?

AR: Eu estava fazendo todo o camp para a Paige, meu empresário disse que ela tinha se machucado, e dois dias depois tinha aparecido a Randa. Continuei focada, continuei treinando muito forte, porque meu objetivo é ser campeã. Independente de quem o UFC colocar na minha frente, eu vou entregar meu 100%. A Randa é uma adversária muito perigosa e estratégica, então estou treinando focada nisso: impor meu jogo e fazer um show para todos os brasileiros lá, que vão assistir e se divertir.

UFC: A Paige é uma lutadora bem famosa. Em termos de projeção para essa luta, te incomodou a mudança de adversária antes do evento?

AR: A Paige é muito famosa, sim. Depois dessa luta, eu penso em lutar com ela. Mas meu foco agora é a Randa, independente se ela é famosa. Eu quero sair com a vitória. Se eles quiseram me colocar contra a Paige primeiro, é porque já veem em mim uma chance de ser conhecida. Eu tenho que continuar focada e treinando muito para sair com a vitória.

Leia também: Passamos um dia nos treinamentos de Charles do Bronx para o UFC Brasília

UFC: Para onde uma vitória no UFC Brasília te leva?

AR: Me leva a uma top 5, talvez? Por favor, UFC! [risos]. E me leva ao ponto de falar que se você acreditar no seu sonho, se dedicar muito, se esforçar bastante e treinar, você consegue alcançar o seu objetivo.

UFC: Quais os seus planos para 2020?

AR: Se tudo ocorrer bem e eu acabar a luta sem nenhuma lesão, penso em fazer três ou quatro lutas em 2020. Quero aproveitar muito minha família também. Quero aproveitar os UFCs também, porque eu amo ir assistir. Quando mais a gente conhecer o nosso trabalho, melhor a gente vai ser.