Pular para o conteúdo principal
Atletas

Top 7: O melhor de Amanda Nunes

Relembre as melhores performances da “Leoa”

No dia 29 de dezembro, a rainha da divisão peso-galo Amanda Nunes subirá de peso e tentará fazer história quando encarar a campeã peso-pena Cris Cyborg em uma superluta muito aguardada. Conseguirá Amanda se tornar a primeira mulher campeã em duas divisões? Caso consiga, adicione mais um grande momento à lista abaixo.

Julia Budd
7 de janeiro de 2011 (Strikeforce)

Amanda Nunes não caiu do céu ao octógono no UFC 200, onde ela tomou o cinturão peso-galo de Miesha Tate. Ela está há tempos no radar do mundo do MMA, e quando foi contratada pelo Strikeforce em 2011, havia expectativa de que a nocauteadora brasileira estava prestes a colocar o MMA feminino no mapa de uma vez por todas. Bem, Amanda não desapontou em sua estreia nos Estados Unidos, e precisou de apenas 14 segundos para nocautear a respeitada striker Julia Budd. Se formos comparar, foram 25 segundos a menos que Ronda Rousey precisou para finalizar Budd 10 meses depois.

Sheila Gaff
3 de agosto de 2013

Após derrotar Budd, Amanda era “a” estrela em ascensão na divisão peso-galo, mas, oito meses após a vitória, a brasileira foi mandada de volta à estaca zero pela veterana Alexis Davis, que a venceu por nocaute técnico. Recomeçando sua caminhada quase um ano depois, Amanda somou apenas um cartel de 1-1 no Invicta FC, mas em agosto de 2013 ela estava pronta para enfrentar as melhores das melhores no UFC e, apoiada pelo público no Rio de Janeiro, desmantelou Sheila Gaff em pouco mais de dois minutos. A “Leoa” havia chegado.

Relembre grandes momentos no octógono das duas campeãs. Cris Cyborg e Amanda Nunes fazem uma Superluta no dia 29 de dezembro, na co-main evento do UFC 232.

Brasil

Germaine de Randamie
6 de novembro de 2013

Possivelmente a kickboxer mais condecorada a pisar no octógono, Germaine de Randamie é fatal em pé e seu currículo fala por ela. Mas quando enfrentou Amanda em novembro de 2013, a holandesa não estava preparada para a violência no ground and pound de sua oponente, e a brasileira venceu em menos de quatro minutos. Foi uma vitória marcante que alavancou a brasileira para uma grande luta que o mundo inteiro assistiria.

Sara McMann
8 de agosto de 2015

Em 27 de setembro de 2014, Amanda parecia estar prestes a conquistar o title-shot ao quase acabar com Cat Zingano no início no UFC 178. Mas ao invés disso foi Zingano que teve a chance contra Ronda Rousey após um triunfo por nocaute técnico de virada. A derrota, a primeira de Amanda no UFC, foi devastadora, mas após retornar quatro meses depois nocauteando a veterana Shayna Baszler, a brasileira teve outra chance de conquistar um title-shot e aproveitou, com uma performance digna de bônus de Performance da Noite por sua finalização no primeiro round sobre a medalhista olímpica Sara McMann.

Miesha Tate
9 de julho de 2016

Após o triunfo sobre McMann, Amanda venceu Valentina Shevchenko por decisão unânime em março de 2016. Isso garantiu um duelo contra a nova campeã peso-galo Miesha Tate no que acabou sendo a luta principal do histórico UFC 200 em Las Vegas. Apesar da pressão sobre seus ombros, a brasileira estava ligada desde o momento em que a porta do Octógono se fechou, e apesar de o resultado ter sido uma finalização, foram seus golpes certeiros e avassaladores que abriram caminho para a vitória e lhe garantiram o cinturão.

Ronda Rousey
30 de dezembro de 2016

O retorno de Ronda Rousey após a derrota para Holly Holm em 2015 dominou as manchetes a caminho da luta principal do UFC 207 em Las Vegas, mas Amanda se manteve focada na missão e não se desviou do foco, que era provar que só havia uma campeã na divisão peso-galo. E foi exatamente o que a Leoa fez, partindo para cima de Rousey e não permitindo que ela entrasse no combate. A luta durou apenas 48 segundos e ficou claro que Amanda estava chegando para um longo reinado.

Assista na íntegra a vitória de Amanda Nunes sobre Rounda Rousey em 2016.

Brasil

Raquel Pennington
12 de maio de 2018

Amanda fez sua segunda defesa de título ao vencer Valentina Shevchenko em uma apertada decisão dividida na revanche em setembro de 2017, mas os jurados não precisaram se envolver em sua luta seguinte, quando ela superou Raquel Pennington por nocaute técnico no quinto round. Claramente no auge de seu jogo, Amanda agora quer entrar para a história no duelo com a campeã peso-pena Cris Cyborg na luta co-principal do UFC 232.